segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Senhor.... Quero ser como uma criança...

Senhor.
Quero ser como uma criança...
E voltar à inocência.!
Quero correr e lançar-me nos teus braços.....
que estão sempre cheios de amor.!
Quero ver a vida como se fosse uma criança!!
Quero que os meus olhos voltem a ver as formigas.
Ouvir o zumbido das abelhas.
Elas fazem o mel, que eu gosto tanto!!
Ouvir o canto dos pássaros.
Sentir a chuva e o vento a passar.
Abrir a janela e ver o Sol!
Quero voltar a ser criança...
para esquecer tudo o que faz-me sofrer.!!!!
isabelRibeiroFonseca

domingo, 29 de setembro de 2013

"CAI A CHUVA DOCE"

 "CAI A CHUVA DOCE"

Cai a chuva, chuva fria, miudinha.
Suspiro por um quente abraço teu
Que aqueça e envolva a minha alma
Dos teus beijos ardentes, molhados

Frio no corpo e na alma
Inquieta-me.
Onde rasgaste o meu peito
E deixaste-o em pedaços.

Amo e odeio este tempo carrasco
Este tempo que acabou, tempo tão raro
Coração na lama, longe da chama que o aqueceu.

Vento que bate, açoita e castiga
Que fere-me os olhos
Lágrimas presas na chuva miudinha

O tempo corre a passos largos, bem longe de mim..
Depressa demais como eu não gostaria.
Cai a chuva,fria, ,miudinha que eu tanto amo .

Isabel Morais Ribeiro Fonseca.


sábado, 28 de setembro de 2013

"CAMÉLIAS PERFUMADAS"


 "CAMÉLIAS PERFUMADAS"

Camélia perfumada
Com aroma de inverno.
Nos teus olhos
Encontrei o meu lugar
Nas minhas camélias
Encontrei a minha paz
Contigo conheci o amor
No teu corpo encontrei-me.

 Isabel Morais Ribeiro Fonseca.



sexta-feira, 27 de setembro de 2013

"ROSAS BELAS"

 "ROSAS BELAS"

Rosas, rosas como são belas
Como são vivas as cores das suas pétalas
A frescura sobre este sol que nutre a alma.
Contemplo o céu que fez a moldura
De uma beleza que perdura
Sinto o aroma do seu perfume
Dos dias novos que me cercam
De uma vontade única de reaprender a viver
Rosas belas, rosas que perfumam a minha vida.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca.



quinta-feira, 26 de setembro de 2013

"AZIBO QUENTE"

"AZIBO QUENTE"

Canta o galo em cima do telhado
Velho de podre a cair aos pedaços
Dormem os campos serenos
Agitam à passagem de uma suave brisa
Que acompanham os meus passos
Dormem sossegados já sem desassossego
Dos dias de férias passados na aldeia..
Das idas à barragem do azibo
Água fresca,limpa, de pedras e fragas.

Caminhos de lama, trilhos de fragas
De pedras, pelas ruas de casas caídas em ruínas
Onde as migalhas de pão caíam no chão
De soalho, tábuas corridas, onde outrora não havia fome.
Havia trabalho, trabalho duro, de sol a sol,
Onde o pão não faltava e alegria também não,
Ouvia-se o riso e o cantar das gentes ,
Das crianças a ir para escola alegres e felizes,
Com um pedaço de pão na algibeira.
Agora é só dor da partida, partida permanente
Onde vai-se e não voltam.
Casas em agonias e tormentos onde,
Os velhos gemem as suas mágoas, os seus desenganos
Embriagam-se nas dores que os atormentam
Prostram-se cansados pelos anos
Choram no banco da igreja, no banco de um jardim.
Perdem o rumo da vida, da alegria,
Como se navegassem sem mastro, sem leme....
Das aldeias perdidas esquecidas e dizem estes velhos sábios
Das nossas aldeias, Hei-de morrer algum dia.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca





quarta-feira, 25 de setembro de 2013

"Porquê tantas preocupações "



"Porquê tantas preocupações "
Deixemos as preocupações de lado
E ficaremos surpresos
Com a beleza
Do céu estrelado
Da cor das flores que são belas e charmosas
Do fresco da brisa do mar, do vento
E a generosidade do sol, da sua luz
Nós nos sentiremos que fazemos parte de Deus
Das suas criações e que a vida faz sentido.....
A maior riqueza está em apreciar
Aquilo que ele nos deu
Que é o que temos e o que somos.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

terça-feira, 24 de setembro de 2013

"ESTAÇÕES"

"ESTAÇÕES"

Estações do ano.
Primavera de flores
Verão de amores.
Outono de sonhos
Inverno ciumento
Deixe a primavera florir
Deixe o verão amar
Deixe o outono passar
Deixe o inverno ser
Quero amar nas manhãs de outono
Nas noites mais frias de inverno
Colher as flores primaveris
Molhar-me nas noites quentes do verão.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

"LOBOS OU HOMENS"

 "LOBOS OU HOMENS"

Se os lobos fossem homens
Haveria mais civilização, mais moral ??
Como seria este país......melhor ou pior
Muitos consideram a nossa humildade com fraqueza.
Enquanto o nosso país vive num mar de lama.
Os senhores da guerra forjaram as suas leis, para escravizar-nos
Somos deixados à sua mercê que nos ameaçam
Despem-nos a alma, sem dó nem piedade.
As leis não são mais respeitadas, o desrespeito é total.
Esta realidade em que vivemos das muitas informações
Que chegam ate nós são manipuladas
Pelos senhores da guerra sem escrúpulos
Só pensam no lucro, desprezam a humanidade
Rasgam a carne de todos aqueles que são escravos
Dependentes do seu emprego, sem ele não conseguiam sobreviver
Alimentar a família que tanto depende.
Somos escravos de um sistema, que nos manipula,
Escraviza, suga-nos o sangue e parece que gostamos
Se os lobos fossem homens seríamos, manipulados escravizados ou não..?

Isabel Morais Ribeiro Fonseca.

 


domingo, 22 de setembro de 2013

sábado, 21 de setembro de 2013

Ser mãe é perdoar...


Ser mãe é perdoar...
Mesmo tendo o coração partido
Ser mãe é amar sem limites.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca.

"VEM VER-ME"

 "VEM VER-ME"

Meu amor
Quando vieres ver-me
Dá-me rosas vermelhas
Orquídeas brancas
Que as outras já estão secas.
Dá-me beijos longos e molhados
Para que eu não fale
Meu amor quando vieres ver-me
Não te esqueças da lua e das estrelas.
Do livro dos poemas, que inventam os sonhos.
Quando vieres meu amor
Aninhar-te no meu peito
Sente o bater deste pobre coração
Dá-me as ondas do mar
Seca o sal das minhas lágrimas
Quando vieres ver-me meu amor
Dá-me o orvalho da manhã.
Para sentir a seda fresca e macia da tua pele
Quando vieres ver-me meu amor
Quero que afagues os meus gemidos
Com os pingos da chuva e sinta o aroma do teu corpo
Quando vieres ver-me meu amor...
Dá-me a paz da tua alma, do teu olhar, da tua boca suave.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca.


sexta-feira, 20 de setembro de 2013

"SENTIMENTOS".....Não brinque com os sentimentos..


"SENTIMENTOS"

Não brinque com os sentimentos..
Eles não são objetos.
Brincar com os sentimentos dos outros
É não ter amor próprio.
Os sentimentos para eles são como sombras vazias
O sentimento quanto mais simples
Mais floresce e larga o seu perfume
Como alguém que tem muito amor para dar.
Há sentimentos que quanto mais
Eu tento confiar nas pessoas mais elas
Desiludem-me e provam-me que não vale a pena.
Ter sentimentos é sorrir.....
É saber que ninguém merece, as nossas lágrimas
Quero ter sentimentos e ver um mundo melhor
E acreditar que vale a pena amar.!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


A dor é como a saudade. ....Que nos mata por dentro.!





A dor é como a saudade.
Que nos mata por dentro.
Dor é sentir falta de quem nos ama.
E que muitas vezes não se lembra de nós
Dor não é a morte
É a ignorância das pessoas.
Dor é não ter fé
É não acreditar em Deus.
Dor é não conseguirmos amar ninguém.
Dor é quando choramos sozinhos
E não temos um ombro amigo.
  
Isabel Morais Ribeiro Fonseca


SENHOR

Senhor
Faz brilhar a tua luz nos nossos caminhos.
Afasta de nós todos os espinhos
Que a nossa tristeza não nos faça....de abatidos e inúteis.
Que a nossa alegria não nos torne....ingratos e insensíveis.
Que a nossa esperança não nos faça egoístas.
Aumentai a nossa fé e a nossa humildade.


Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

"OH VALE ENCANTADO" Oh vale encantado da tempestade..


"OH VALE ENCANTADO"

Oh vale encantado da tempestade sentida
Oh livro que acabei de ler.
Que deste-me a serenidade
Que eu tinha perdido
A lucidez que deixei de sentir
Sentimento adormecido
Esquecido, abrasador, vida amarga,
Oh alma que te perdeste
Em trilhos, caminhos da saudade
Entre estevas, estevinhas, olmos
Fragas, oliveiras e castanheiros
Oh vale encantado entre as serras e os montes..
Deste nosso e amado Portugal
Onde a raposa, repousa e faz o seu covil...
Onde as cobras mudam de pele
Onde anda a alcateia deste lobo solitário
Oh vida triste, vazia, sozinha...
Onde mato a sede na fonte no monte
Deste vale encantado, que é a minha vida.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


"NÃO CHORES MAIS"

 "NÃO CHORES MAIS"

Meu amor
Porque que choras.
Perguntas tu..
Beijas a minha face
Enxugas as minhas lágrimas
Abraças-me e eu aconchego-me no teu calor
Quero proteger-te
Amar-te, dar-te segurança
Tranquilidade, fazer-te feliz
Não chores mais
Deixa-me cuidar de ti
Eu estou aqui
Deixa-me secar as tuas lágrimas com os meus lábios.
Meu amor não chores mais..."Dizes tu"

Isabel Morais Ribeiro Fonseca.


segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Senhor..... eu sou fraca mas não vou desistir,


Senhor
Eu sou fraca mas não vou desistir
Na minha mão o arado vai ficar
Se tiver que sofrer sofro calada
Vou chorar no teu altar
Contar-te a minha dor, sem pudor,
Para que olhes para mim com misericórdia
Foi por mim que derramas-te o teu amor.
Meu querido amado Jesus, amo e Senhor.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

"LOBO DE CORAÇÃO"


 "LOBO DE CORAÇÃO"

Tu és o lobo
Que devora-me o corpo
O coração, a alma
Como o fogo que arde
Numa fogueira de pinhas e giestas
Os meus carinhos são teus
Tu és o lobo que me beija
Acaricia o meu corpo
Tudo em mim hoje é selvagem
Aveludado e sem medo
Deste chama e alento ao meu coração
És o Lobo que me cobre com amor e caricias
O teu corpo é e será para sempre
A minha fonte de água pura
Onde sacio a minha sede desta
Minha desvairada vontade
Rasga-me a carne
Devora-me por completo
Entrego-me a ti predador
Devorador de carne
Vasculho e abraço os nossos lençóis
Com esperança de te encontrar
Ainda sinto o teu cheiro
O aroma do suor na nossa cama
Amo o tua maneira despojada e sedutora
Tu és o lobo que acorda dentro
De mim o que está adormecido
Espero-te e não respiro até à próxima Lua.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


domingo, 15 de setembro de 2013

"AMOR DIVIDIDO"

  "AMOR DIVIDIDO"

Amor dividido
Corpo inútil
Mente adormecida
Lua cheia
Mar profundo
Casa fechada
Bandeira hasteada
Fidelidade sentida
Olhos amargos do sentimento esquecido.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca.



Viva Portugal..



sexta-feira, 13 de setembro de 2013

"ROSAS NO CORAÇÃO"

 "ROSAS NO CORAÇÃO"

Quando o coração chora de dor
As rosas não dão o seu perfume.
De todos os beijos que eu te dei..
Gosto do doce do teu beijo
Quando o coração chora, é a dor
Por recordar-se de um grande amor.
A casa está vazia, a cama tão fria
O teu rosto ainda está no espelho.
O teu cheiro no meu travesseiro
E eu já com muitas saudades tuas
Vou pedir aos anjos
Que tragam-te, até junto de mim.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

Senhor. Tu que vês tudo ....

Senhor.
Tu que vês tudo ....
que sabes todas as nossas necessidades....
todas as nossas as angustias....
os nossos conflitos...
Peço-te guia a minha alma para o bem.!!
isabelRibeiroFonseca

Olho-te, respeito-te, admiro-te e amo-te.



Olho-te,
respeito-te,
admiro-te e amo-te.


Isabel Morais Ribeiro Fonseca
🍃🌹‿.•*´¯ 🍃🌹 •*´¯🍃🌹