quinta-feira, 31 de julho de 2014

"PEDAÇOS DA ALMA"

"PEDAÇOS DA ALMA"

Ser mãe é amar, chorar, sofrer
Mas o pior disso é ficar sem ti.
No bom sentido
É ver-te voar, ganhar asas, sair do ninho
Os meus meninos são violetas azuis
As minhas meninas são rosas vermelhas
Afinal eles são oito
São oito flores das mais belas do mundo
Ser mãe é sermos universais, lutadoras
Hábeis, elegantes, responsáveis, especiais
Mas no fim somos simplesmente mulheres
Os filhos são os toques mágicos de carinhos
Entre o amor de um homem e uma mulher
São os nossos maiores tesouros de grande beleza
São o melhor de nós mesmos
Tesouros perdidos, esquecidos nos mares
Recuperados do nosso coração
Carne da nossa carne, sangue do nosso sangue,
Pedaços da nossa alma.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

terça-feira, 15 de julho de 2014

GOSTAVA

GOSTAVA

Gostava que te deitasses.
Sempre ao meu lado

Que despisses os teus segredos.
No meu regaço

Para que não escondesses.
Todos os teus medos.

Enlouquecermos os dois.
Nas noites quentes e inesperadas.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca



 ╲\╭┓
╭★ ╯ ★  ♥  ★
┗╯\╲

segunda-feira, 7 de julho de 2014

"SER CRIANÇA"

 "SER CRIANÇA"

Ser criança deixou saudades
Já subi serras de fragas e montes
Desci montes, lameiros e planícies
Entre giestas, estevas e fragas
Pisei areia branca, preta vulcânica
O asfalto quente da estrada
A lama sujou o meu vestido bordado
Rasguei as minhas calças ao descer da árvore
Andei a beira do rio e tomei banho
Vasculhei uma gruta e entrei num buraco escuro
Corri muito, hoje muito pouco, confesso
Como era bom ser criança, as saudades já são muitas.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 2 de julho de 2014

"DORMEM OS SONHOS"

"DORMEM OS SONHOS"

Os sonhos dormem.
Dormem embalados
Por desencantos
Adormecem nos dias mornos
Dos céus cinzentos
Sonolentos de dia
De noite onde vivem
Sem abrir os olhos.
E as flores secam
No jardim de repente
Como os orvalhos sem manhãs.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca