quarta-feira, 25 de novembro de 2015

PEDAÇOS

PEDAÇOS

Flores laços de cetim
Queimadas em cinzas
Afogo-me nas palavras
Enterro-me no trabalho
Nas telhas dos sonhos
Já não almejo o perdão
Sou repleta de erros
Mato todas as lágrimas
Nas letras que me sugam
A vida da minha mente
No meu obscuro corpo
Já sem sons da saudade
Ao ver a tua bela nudez
A minha alma se deleita
Na nossa louca insensatez
O vazio gritou palavras
No silêncio sem sentido
Gemidos de mim, de nós
Afogo-me no teu corpo
Enterro-me nos teus braços
Sou repleta de imperfeições
Amo as flores de cetim
Já não almejo o perdão
Mato todas as lágrimas
Nas palavras feitas de amor.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

terça-feira, 17 de novembro de 2015

SORRI E AMA

SORRI E AMA

Olha levanta a  merda do teu rosto
Sorri pelo menos uma vez na vida.
Limpa a merda das tuas lágrimas
Todos temos dores que nos engolem o coração
Olha para tudo que te rodeia e ama
Todos nós temos histórias de vida para contar
Sorri e ama neste caminho de pedras, fragas e silvas

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

domingo, 8 de novembro de 2015

VERDADEIRO SILÊNCIO

VERDADEIRO SILÊNCIO

Sem fingimentos em ser verdadeiro
Começo sempre pelo meu silêncio
Quando quero construir palavras
Letras deixadas na minha mente
Ando cansada da sinceridade das pessoas
Elas fingem muito bem, bem até demais
Confundem a mente de qualquer pessoa
Há horas em que tu já não sabes distinguir
        - Se falam verdade ou não
Tenho que de deixar de acreditar nas pessoas assim
     - Eu, não sei é fingir
Não posso dizer que sinto, sem sentir
Não posso dizer que sim, só para agradar
Não quero falar quando o meu momento pede silêncio
Não sei fingir em muitas situações
Eu até tento mas sou um verdadeiro desastre
Quem é transparente paga um preço alto
Mas meus amigos é um preço muito bem pago.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca