sábado, 22 de agosto de 2015

ALGODÃO DOCE

ALGODÃO DOCE

Sinto no meu regaço
- O afago do teu corpo
Tormenta do meu querer
- Nos silenciosos afetos
Onde acalma na boca
- Os ávidos sentidos doces
É no teu corpo onde
- Me perco na noite rasgada
Na cama onde me deito
- Ao teu lado com o teu olhar
Devorador de faminto lobo
- Mãos despidas de gestos
Pedaço de algodão doce
- Quente de afagos gemidos.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca


quarta-feira, 12 de agosto de 2015

AROMAS

AROMAS

A língua segue o trilho
Da pimenta até ao beijo
Nos lençóis desalinhados
Como se a canela fosse vento
Deixo a tua boca faminta
Do desejo a noz-moscada
Soletro as velhas palavras
De amor em alecrim perfumado
Palavras generosas no sonho
Flor de rosmainho cruzado
Soterrado na prisão da vida
Noites numa só noite comprida
Num quarto só aromatizado de vinho
Desejo desfeito, refeito de aromas.
 

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

O HOMEM CAMINHA SÓ OU NÃO

O HOMEM CAMINHA SÓ OU NÃO

Ditadores de um sonho já muito sombrio
O homem caminha sobre as palavras
Na invisível rotina, que ilumina o caminho
Entre a dolorosa seta que cerca a sua alma
Descansa na sua fé de intocável mundo
Pintou de sangue a sua própria liberdade
Há noite desenhou o céu num manto branco
Nos telhados feitos de saudade ou lamento
Caminha num chão alheio ao seu corpo ferido
Guerreiro que vive já no meio da tempestade
Alquimista quando cai a noite no noturno luar
Ansiosa frente de forma na inesperada poesia
Onde falhou o poeta, o homem que não caminha
No descontentamento, emoção do deslumbramento
Árvore estéril que usou a seiva para fazer-se renascer
Inesperado olhar desajeitado, sem medo, sem barreiras
Ele queria simplesmente um amor, antes que o engolisse a terra.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca