terça-feira, 18 de novembro de 2014

PARA RENASCER DE NOVO


PARA RENASCER DE NOVO

Senti-te e abandonei-te enquanto te tinha
Meu amor; por medo de ser queimada...
Pelo ardor da paixão que sentíamos.
Amo-te com o sopro do meu coração
Queria adormecer em ti, dentro de mim
Como se tu e eu fôssemos nós.
Amo-te nos momentos de ausência.
Mesmo quanto a vida nos foge.
Amo-te à procura de respirar.
O cheiro da tua alma perdida em mim.
Amo-te quando pediste-me para me perder contigo.
Amo-te de olhos fechados
Quando gritei o teu nome ao vento.
Entrei meu amor
Sossegada dentro de ti; quietinha, calada.
Senti que me amavas, sorris-te, porque também o senti.
Deixei-te aconchegar-te no meu ventre, no meu peito.
Percorreste com os teus dedos as estradas imaginárias.
Encontrei-me, mais uma vez, sossegado dentro de ti.
Gritei bem alto o teu nome e morri de amor.
Para renascer de novo, renasci.
Senti-te e abandonei-te enquanto te tinha
Por medo de ser queimada pelo ardor da nossa paixão!
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca