quinta-feira, 14 de julho de 2016

GRÁVIDA DE AMOR

GRÁVIDA DE AMOR

Amor tão cristalino
No lago do Éden
Onde todas as maçãs
Não, não são pecados
Grávida de esperanças
De um doce momento
Mexendo dentro de mim
Grávida de sonhos coloridos
Amor puro e desinteressado
Intimidade de almas saciadas
Grávida de esperança
Aguarda a hora de parir
De pernas abertas, fechadas
Entre dois dedos de dilatação
Ou 10 dedos de conversa
Para dar hoje um poema
Contrariando a força, a dor
Nas lágrimas de felicidade

Entre o período de gestação
Sei que estou perto do fim
Com cordão, com placenta
Grávida feliz no parto
No colostro que amamenta
Amor no toque de uma alma suave
Poema escrito em tinta liquida
Na paixão da letra feita de amor
Grávida de esperanças fim do parto.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca