terça-feira, 3 de maio de 2016

TINTA DE SONHOS

TINTA DE SONHOS

O silêncio das horas
Está escondido nas raízes
Da dor, tormento do vento
Na tinta que é escrita com sangue
De estragos feitas nas páginas
Em branco, na alma ferida
Da chuva fria vinda do céu
No caminho escuro que cobiça
O corpo frágil, refúgio secreto
De alguém que foge das trevas
Entre o silêncio das palavras
Que voam vazias desnudadas
Pelo escuro das horas perdidas
Que dura um segundo no silêncio
Da cozinha do inferno, sem liberdade
No peito enjaulado sem grades de ferro
Aparência perdida de sonhos por dormir
De noites escuras em desejos escritos à lua.

♥♥╭✿╭✿ ♥♥
Isabel Morais Ribeiro Fonseca