terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

"SOMBRAS DA NOITE"

 "SOMBRAS DA NOITE"

Caminho pelas sombras da noite
Ando sobre as chamas do inferno
Num mar cheio de lamentações.
Insanidade feita de pedaços de loucura

Fatigada devorada pelas chamas da mente.
Quando olho para o espelho não sou eu
Vejo uma sombra perdida, esquecida e velha.
Como se estivesse numa cela acorrentada

Com grades na janela de ferro enferrujadas.
Vejo e sinto a chuva cair, como uma tempestade
de sentimentos que me fogem entre os dedos.
Sem saber se devo escrever este meu sofrimento

Nesta carta feita em poema sentida na alma.
Que talvez nunca irás ler e nunca saberás…
como é ficar nua de pensamentos e sentimentos.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca